Segunda-feira, 29 de Agosto de 2011

Les Amours Imaginaires

 

 

Vi este filme de surpresa, numa noite que começou com um inocente "vamos ver filmes". Disseram-me no inicio que era um filme que esteve no indie Lisboa de 2010, e como era um filme todo ele em francês pensei imediantamente que poderia ser mais uma daquelas secas pseudo-intelectuais que temos de louvar senão corremos o risco de parecer incultos ou estupidos (de repente O laço branco está a vir-me à memória...). Mas não. Havia algo de diferente neste filme. 

 

 

O filme gira à volta de Francis (Xavier Dolan) e Marie (Monia Chokri) que conhecem Nicolas (Neils Schneider) num evento social e apaixonam-se por ele, a partir disso assiste-se aos jogos de poder que encontramos na maioria das relações. Pelo meio temos testemunhos de várias pessoas sobre as suas relações e como as viveram. 

Portanto é quase impossível ficar indiferente, porque há sempre lá qualquer coisa com que nos sentimos identificados, quem é que nunca fez algo estupido por amor?  

A história está bem construida, os personagens fazem-nos sentir... coisas em relação a eles, tanto pode ser uma raiva e ódio de morte (que mais se traduziu comigo a dizer várias vezes que me apetecia bater em gente), como a maior simpatia por eles por causa do momento que eles estavam a passar. 

A banda sonora de facto ajuda a construir o ambiente do filme, muito no ambiente anos 60/70 em Paris, que agora está muito na moda. 

Um factor invejável neste filme é a fotografia, tudo estava certo, desde o cenário, o ambiente, a luz, aos planos, tudo magnificamente trabalhado.  

Xavier Dolan demonstra ser um verdadeiro "pau para toda a colher" tendo em conta a quantidade de vezes que vemos o nome dele a passar nos créditos. Ele realiza, trata do guarda roupa, produz, é o escritor, fez a edição, e é um dos actores principais. Até cansa só de pensar na quantidade de trabalho. 

 

No final não se pode deixar de ter uma certa simpatia por este filme. Não sei se o vou rever "Les amours imaginaires" por iniciativa própria, mas ainda assim gostei de ver, e sem dúvia que é de manter este Xavier Dolan debaixo de olho, para 21 anos demonstra uma maturidade ao nível cinematográfico muito pouco comum. 


P.S.: A pedido da Sara aqui fica a outra música icónica no filme.

 

tags:
publicado por Gonçalo Cardoso Dias às 12:41
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De sandrafofinha25 a 13 de Setembro de 2011 às 07:10
de que historia retrata o filme amigo???????????
De Gonçalo Cardoso Dias a 13 de Setembro de 2011 às 11:04
rapaz (gay) e rapariga (que tenta copiar a Audrey Hepburn) com laços de amizade + rapaz giro que chama a atenção dos dois = confusão dos diabos

é mais ou menos isto de uma forma muito simplificada.

Comentar post

.Olha nós!

.pesquisar

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Os últimos quacks!

. Um ano

. Este não é um post.

. Resoluções para 2012

. Desejos para 2012: ATÉ OS...

. 2011

. Habemus Papam

. Drive

. Isto a malta não coopera....

. Música do dia

. Felicidade em tempo de cr...

.quacks arquivados

. Dezembro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds