Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

The Tree of Life

 

Já quase que nem me lembro quando foi a ultima vez que escrevi sobre cinema, mas também não interessa, porque se há filme sobre o qual vale a pena escrever é este. 

 

 

Agora apresenta-se o desafio de sempre que se escreve sobre cinema (na realidade sobre qualquer tema) "como passar para um texto coerente o que nos vai na mente?", neste caso torna-se ainda mais complicado, portanto desde já as minhas desculpas por qualquer salto de lógica.

Este é daqueles casos que me mete a pensar sobre o que é cinema e qual é a função do cinema, mas não de uma forma que me deixe irritado ou desapontado bem pelo contrário. É um filme que apesar de tudo o que li me apanhou completamente de surpresa. Começa com uma narrativa mais ou menos simples, em que os personagens começam a ser definidos e começa-se a sentir as ligações entre eles, até que de repente o Sr. Malick decide que não, uma narrativa a contar uma história seria algo demasiado simples, que afloraria demasiado superficialmente o que se estava a passar e começa ali um tratado visual de filosofia que é algo do outro mundo. Às tantas parece que se lembra que tinha uma história para contar, mas não o faz de um modo simples, envolve duas fases temporais da vida do mesmo personagem (a pre-adolescência e a vida adulta) e no meio disso lá somos assaltados por pensamentos e "mundos de sonho" (se é que são realmente isto, mas acho que esta é a melhor expressão) todos eles com uma simbologia que me fez pensar e repensar tudo o que vi e ouvi. E aqui tenho de aproveitar a deixa para dizer que este é um filme lindo, tudo o que é captado pela câmara é extremamente cuidado e bonito, acompanhado por uma banda sonora que, para quem gosta de música clássica, é sublime. 

Normalmente não gosto de filmes pseudo-intelectuais, mas o que dizer quando o filme ultrapassa essa barreira e é mesmo intelectual? E será que esta questão realmente interessa? 

Enfim... as minhas conclusões são que "The Tree of Life" não deixa ninguém indiferente, deixou-me com um misto de angústia e paz, muita inquietação e uma vontade enorme de o rever. E nem me atrevo a tentar classificar este filme.

tags:
publicado por Gonçalo Cardoso Dias às 11:39
link do post | comentar | favorito

.Olha nós!

.pesquisar

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Os últimos quacks!

. Um ano

. Este não é um post.

. Resoluções para 2012

. Desejos para 2012: ATÉ OS...

. 2011

. Habemus Papam

. Drive

. Isto a malta não coopera....

. Música do dia

. Felicidade em tempo de cr...

.quacks arquivados

. Dezembro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds