Quarta-feira, 18 de Maio de 2011

M. Ward na aula magna

Mantinham-se os planos habituais.

Primeiro ir para o treino, e depois de muito transpirar ir calmamente ter com amigos e dedicar-me a esse elevado desporto que é o snooker. Como é óbvio as coisas não correram exactamente assim.

Tudo começou com uma singela mensagem a desafiar-me para ir a um concerto de M. Ward  na aula magna e em menos de nada todos os planos tinham mudado e a correria começava, primeiro a ir para o treino, depois a voltar, tomar banho, comer qualquer coisa, voar para apanhar mais gente e voar para chegar a uma hora minimamente decente ao concerto de um senhor que até aquela fatídica sms não conhecia de lado nenhum. Nem sequer da tropa!

Chegado à aula magna e morto o vicio do tabaco por quem de direito, lá entrámos na sala sempre quente e abafada a tempo de assistir às ultimas 3 músicas do número de abertura, um senhor português a cantar em inglês, armado com a sua guitarra, uma voz que até achei bastante boa e com uma história por de trás de cada música que apresentava. (Ainda tenho de descobrir quem era ele.)

Depois um curto intervalo para refrescar porque a sala (e outra vez o vicio de quem o tem) assim obrigavam, várias coisas foram discutidas neste intervalo entre as quais o concerto que nos estava a levar lá (até porque não era o único que não o conhecia), nada do que foi dito naquela conversa me preparou para o que veio a seguir.

Outra vez no ambiente abafado da aula magna entra um homem em palco, a palavra que me surge é normal, era um homem normal, a pegar numa guitarra normal, mas assim que as notas começaram a invadir o vazio o homem, nem a sua guitarra, podiam ser descritos como normais. Os fotógrafos corriam para junto de palco onde ele com a maior das naturalidades assumia a postura de estrela de rock, de guitarra na mão, brevemente lembrei-me que há posturas que se assumem só mesmo pela fotografia.

Acho que todos os concertos são um pouco assim, ou se não são deviam, assumir o propósito de entreter os espectadores, de os fazer felizes, de os fazer sentir um pouco mais chegados ao artista e às suas músicas, e foi precisamente isso que M. Ward conseguiu atingir usando apenas uma guitarra, uma harmónica, um piano e uma pedaleira para dar efeitos à guitarra que teimava em não colaborar, mas até isso fez com que fosse criada mais empatia. 

Arrisco-me a dizer (armado em critico) que foi um concerto muito intimista, e que dei o meu tempo bem empregue, até porque agora tenho mais um músico para descobrir.

Por isto tudo tenho de agradecer à Guida e ao Ricardo. Eles sabem porquê! ;)

 

publicado por Gonçalo Cardoso Dias às 00:12
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Papoila a 26 de Maio de 2011 às 15:04
Oh Gonçalo, realmente isto está viciado! só tu é que escreves!
De Gonçalo Cardoso Dias a 28 de Maio de 2011 às 16:45
Epa eu bem que reclamo com eles, mas achas que me ligam alguma coisa?

Comentar post

.Olha nós!

.pesquisar

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Os últimos quacks!

. Um ano

. Este não é um post.

. Resoluções para 2012

. Desejos para 2012: ATÉ OS...

. 2011

. Habemus Papam

. Drive

. Isto a malta não coopera....

. Música do dia

. Felicidade em tempo de cr...

.quacks arquivados

. Dezembro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds