Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011

A noite em que finalmente vi o Kilas, o mau da fita!

 

Várias foram as noites no Pai Tirano, em que olhei para este poster, e no meio de copos, confusões, brincadeiras, dizia a frase "Foi por causa de ti que tudo começou" à Rita, mas nunca tinha tido a oportunidade de ver estes clássico do cinema português. Até ontem à noite através do festival Lisboa na Rua, que aproveitou de uma forma brilhante a Travessa dos Teatros para projectar o "Pickpocket" de João Figueiras e o "Kilas o mau da fita".

 

Ok... sobre o pickpocket, é um filme de 20 minutos de 2010 do realizar João Figueiras, acompanha a vida, ao jeito de documentário, de um carteirista que "trabalha" nas zonas turísticas de Lisboa. Tem excelentes momentos, mas como não desenvolve numa história sobre ele e somente gira à volta do seu depoimento acaba por ser algo que não faria qualquer esforço para ver se não estivesse inserido num festival deste tipo, apesar de ter gostado. 

 

Voltando ao Kilas!

Este é excerto do inicio do filme, só para verem o nível da coisa (e acabei de ter um momento "ai como eu adoro o youtube").

 

Sinopse:

Portugal, 1976. Rui Tadeu, aliás Kilas, é amante de uma artista de variedades, Pepsi-Rita, à custa de quem vive - em casa da Madrinha, uma mulher nostálgica, que resgatou o afilhado da infância desvalida. Pela sua esperteza, Kilas lidera um grupo de marginais, contrados por um enigmático Major, para vigiarem um prédio, onde vão reunir-se personalidades "suspeitas".

Quando tal acontece, e alertado o Major, uma bomba explode na casa que se anuncia dum conhecido anti-fascista. Alarmado, Kilas procura desligar-se - mas o seu destino está já marcado, por uma rivalidade passional.

Retirado daqui.


Como é possivel que eu não tenha visto este filme antes???

Não é uma obra prima do cinema português, mas também acho que se esforçou (e bastante) para não ser, mas entretem, a história não é má, tem bons actores - sim eu utilizei as palavras bons actores a referir-me a cinema português! - e atráves das entrelinhas conseguimos traçar um retrato interessante de parte da época de 76. Contudo a narrativa, apesar de seguir sempre uma linha coerente, às vezes dá saltos um pouco estranhos, coisa que se perdoa tendo em conta a época (o filme foi lançado em 1980), e se conseguimos perdoar ao John Cassevetes todos os saltos e cortes estranhos, porque não faze-lo também a José Fonseca e Costa?

Nota final para a música do filme, sim senhor, que luxo ter o Sr. Sérgio Godinho a tratar desse departamento, apesar de sermos constantemente bombardeados com a balada da rita, mas é daquelas coisas que não faz mal nenhum até bem pelo contrário. 

 

Resumindo, vale a pena ver e, se não é, devia ser um caso de estudo nas escolas de cinema portuguêsas. Para além de ser um bom filme até foi um dos primeiros e raros casos de sucesso de bilheteira do cinema português!

 

E como não podia deixar de ser Rita este post é para ti!  

 

 

publicado por Gonçalo Cardoso Dias às 10:15
link do post | comentar | favorito
|

.Olha nós!

.pesquisar

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Os últimos quacks!

. Um ano

. Este não é um post.

. Resoluções para 2012

. Desejos para 2012: ATÉ OS...

. 2011

. Habemus Papam

. Drive

. Isto a malta não coopera....

. Música do dia

. Felicidade em tempo de cr...

.quacks arquivados

. Dezembro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds